Paranóia

Na maior parte do tempo, suspeitar das intenções dos outros nos proteje de prejuízos e de pessoas mal intencionadas, mas essa suspeita pode nos atrapalhar quando chega a níveis extremos e não possui um embasamento concreto. A paranoia é um grande receio de que as pessoas irão te prejudicar ou estão te prejudicando de alguma forma, como te enganando ou maltratando. Mas mais do que isso, a paranoia é uma desconfiança dos outros sem embasamento. Ou seja, a paranoia pode ocorrer apesar de nada indicar claramente que a pessoa está sendo ou será realmente prejudicada por outros. A pessoa pode ver muito mais maldade nas intenções das pessoas do que existe de fato. Identificar ameaças de forma eficiente é uma importante missão de qualquer cérebro, já que isso aumenta as chances do dono do cérebro sobreviver e se reproduzir. Mas o cérebro humano nem sempre cumpre bem essa missão e acaba vendo perigo onde não tem. Alguns estudos indicaram que a paranoia se relaciona com um funcionamento incomum em áreas como o hipocampo, as amídalas cerebrais e algumas partes do córtex pré-frontal, mas as pesquisas sobre isso ainda são pouco conclusivas. Estudos com gêmeos indicam que viver paranoia com frequência pode ser em grande parte uma consequência dos genes que você possui, mas o ambiente também é quase tão importante quanto. A paranoia é mais comum de ocorrer em pessoas que sofreram maus tratos durante a infância, abusam de substâncias como a cocaína ou fazem parte de grupos minoritários e discriminados. Muitas pessoas vivem a paranoia em diferentes níveis de gravidade sem que ela as prejudiquem  tanto. Essa desconfiança dos outros pode se tornar um problema quando é intensa, difusa, infundada e gera angústia. No transtorno da personalidade paranoide, a pessoa espera quase sempre o pior das outras pessoas ao longo da sua vida. Essa condição envolve uma grande desconfiança e expectativas negativas das intenções dos outros. A pessoa pode achar com frequência que os outros estão tramando algo contra ela, traindo, maltratando ou a enganando. Essa desconfiança pode existir mesmo que aja pouco ou nenhum sinal objetivo de ameaça. Também é comum que pessoas nessa condição se sintam mais facilmente perseguidas, insultadas e traídas pelos outros. Isso pode levá-las a agir de forma mais defensiva, crítica e agressiva com quem elas acham que estão as maltratando. Por exemplo, uma pessoa que vive essa condição pode interpretar que um elogio genuíno do seu chefe no trabalho foi na verdade uma crítica velada ao seu desempenho e uma cobrança para que melhore. Ao receber um troco errado em uma loja, essa mesma pessoa pode ficar  convencida de que o vendedor tentou a enganar intencionalmente e então agir  agressivamente com o vendedor. Transtornos da personalidade costumam prejudicar muito as relações com os outros e a felicidade da pessoa. Embora a psicoterapia seja recomendável  para o transtorno da personalidade paranoide, pode ser difícil que a pessoa confie e coopere com o psicólogo pela própria natureza da sua condição. Por isso, é mais comum que essas pessoas não realizem nenhum tipo de tratamento e sofram vários prejuízos sociais, profissionais e afetivos ao longo das suas vidas